sábado, 28 de março de 2009

Palavras ao Vento


Tenho a vida a correr com o vento… vento esse que me faz chorar de dor.

Neste momento sei que essa dor é apenas o bater do meu coração, coração esse que está na escuridão de uma alma só. Gota a gota aqui e agora! Vou-me embora em busca de meu “eu”, podem pensar que fujo dos problemas, mas não, apenas vou embarcar numa aventura em busca das respostas para as minhas dúvidas…

Arrependo-me da decisão tomada, pois foi por vocês que fiquei e a recompensa que tive foi isto… o Silêncio e a Distancia… Perdi o sorriso puro, o olhar de felicidade, a confiança!

Gota a gota, facada a facada, taça a taça!

Sei que vou deixar pessoas que não merecem, mas também até posso não partir, só o vento o dirá, sim o vento… tudo o que sinto, grito ao vento! Palavras essas perdidas para sempre, palavras, gestos, olhares…

Gota a gota, facada a facada, taça a taça vou partir, já não tenho nada a perder… já nada me prende por completo neste local onde chamo “casa”… um dia tudo será explicado, por enquanto quero ir com o vento, ficar perdido nesse vento até voltar a sentir a pureza, a felicidade, a confiança!

Gota a gota, facada a facada, taça a taça!

Perdido sem conseguir ter o controlo de mim mesmo, ferido por mim, por ti, por vocês…

A Escolha



Passaram cerca de seis meses de que as escolas começaram… seis meses passaram e eu olha ainda aqui estou.
Escolhi isto por amizade, pela nossa amizade e tu, simplesmente foste embora, atrás do teu sonho… fico feliz por ti acredita que sim! Juras e simples recordações foi o que ficou entre nós, juras de amizade para toda a vida, os melhores amigos, recordações de momentos de nostalgia, de pura brincadeira, momentos nossos!
Hoje olho para tudo e vejo que estou mais forte, mais confiante de mim mesmo, sem medos da solidão do abandono! Talvez deva-te agradecer por isso, quem sabe um dia mais tarde, fizeste-me ver que as amizades só duram se for realmente verdadeira e também se as pessoas em questão quiserem mesmo essa amizade…
Tu mostraste que não querias nade disso, escolheste a tua estrada e eu também já escolhi a minha, estou “feliz”, pode-se dizer que sim!
Agora quando passo por ti, nada sinto a não ser que és um simples desconhecido com a mesma cara e corpo, mas com uma mente, alma e olhar diferente e sabes daqui a uns anos vou olhar para trás e pensar “Porquê isto tudo? Como aconteceu?” e logo de seguida vou responder… “São as escolhas, atitudes que nos transforma no que realmente somos!
Até breve…