Energia


Hoje escrevo. Escrevo sobre mudança, energia, metas, amor próprio. Desde Janeiro, e sem dar conta, fui alcançado outro patamar na minha vida, fui observando o que me rodeia com mais afinco, fui me olhando cada vez mais no espelho, não para me gabar ou auto elogiar, mas sim para observar bem fundo dos meus olhos e perceber.

Quantos de nós é capaz de dizer que se conhece a si próprio? Eu não o era capaz, até que sem dar conta de nada fui me conhecendo novamente. É assustador redescobrir a nossa própria energia, tentar perceber quem é aquele ser reflectido nos espelhos. É assustador reaprender a estar sozinho, aprender a dizer "não" aos nossos amigos e ficarmos na paz da nossa casa, ignorar mensagens das redes sociais de pessoas que fazem colecção de beijos. Foi assustador, para mim, porém é isso que é a verdadeira paz, a verdadeira felicidade, amor.

Hoje reaprendi a sentir a minha energia, cresci. E não, nada destas redescobertas se devem a coração partido, nem nunca devemos ter um motivo tal corriqueiro para fazermos tais redescobertas em nós. O problema desses motivos corriqueiros é que por vezes podem aparecer... Podes desligar das pessoas que te querem para a sua colecção, podes desligar das noites de sexo por sexo, podes desligar dos teus amigos. Criar a tua rotina, ir ao cinema sozinho, passear sozinho, estares contigo e unicamente contigo. Podes deixar de acreditar nas borboletas no estômago, fechar o coração e o seu raciocino sem nexo algum e utilizar apenas o cérebro. Mas a pergunta é esta, tu estarás preparado para quando essas situações conseguirem quebrar a tua rotina?

Energia é algo que todos nós temos, emitidos e recebemos. Somos pura energia em corpos neste planeta e é essa mesma energia que nos dá a clareza do amor próprio do sabermos estarmos sozinhos, é bom.

Terminei um ciclo. Um ciclo unicamente meu. Tranquei portas e deitei as chaves fora, eram portas em demasia que por vezes até me perdia. Deixei duas janelas abertas, uma porta aberta e outra destrancada. Hoje conheço os limites deste corpo que me foi concedido à 26 anos, a minha energia é unicamente minha e já ninguém me a consegue absorver. E tu? És capaz de parar, observar à volta e tentar perceber quem tu és? Como é que te sentes?

Hoje ainda estou aprender a gerir algumas situações que podem quebrar essa rotina, essa energia, mas nunca esquecer o coração... Por mais que consigamos estar connosco próprios, devemos sempre deixar o coração falar, até pode ser o mínimo, mas devemos deixar, sim o coração.

Rir, tocar, beijar, olhar... São estas pequenas coisas corriqueiras que todos nós precisamos também, ninguém é tão alguém que não precise de ninguém. Não falo de um amor arrebatador, isso seria voltar atrás na tua própria viagem do eu, irias deixar que a tua energia fosse alterada. Falo de algo que poucos alcançam... Seres tão completo ao ponto de que quando estás com alguém o olhar é mais forte.

Somos pura energia, somos o riso a lágrima... O gosto de mim, o gosto de ti e tal como li uma vez... Eu não preciso do teu amor, mas sabe tão bem.

Até já.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Um Ano

Deixei